Centro Cultural Vila Flor celebra 10 anos com um mês de música, teatro e dança

  • Publicado em Atualidade
Equipamento foi inaugurado a 17 de setembro de 2005

O Centro Cultural Vila Flor vai comemorar uma década de existência em Guimarães, com a apresentação de uma variada programação cultural que durará um mês inteiro, tendo como um dos pontos altos o dia 17 de setembro, data em que este equipamento dedicado à cultura e às artes foi inaugurado em 2005.

Haverá dois concertos no jardim (Manta), com um regresso (Manel Cruz) e uma estreia absoluta (Angel Olsen). Uma peça de dança contemporânea («Pântano») em regime de coprodução por uma companhia associada (Útero). No teatro, uma estreia («Pantagruel»), que resulta do trabalho do Teatro Experimental do Porto com o Teatro Oficina, companhia residente. E fechará como abriu, com uma estreia absoluta («Festival»), pela companhia de teatro mala voadora.

A primeira convocatória surge este fim de semana, com o Festival Manta, nos dias 04 e 05, com o regresso de Manel Cruz ao jardim do CCVF (sexta-feira, às 22:30 horas), seguido de uma estreia absoluta em Portugal da cada vez mais cintilante Angel Olsen (sábado, às 22:30 horas). Estes artistas representam a linha contemporânea da programação na área da música e a força autoral na arte de escrever canções. Após ambos os concertos, a energia festiva prolonga-se no jardim do CCVF com DJ sets a cargo de Lovers & Lollypops Soundsystem e Isidro Lisboa (Rádio Nova), respetivamente.

No dia 12 de setembro, às 22 horas, o Grande Auditório do CCVF é palco para a dança contemporânea através da coprodução «Pântano», do Útero, uma estrutura associada do CCVF, que tem transportado o nome de Guimarães pelos corredores internacionais, fruto da circulação das suas criações artísticas, algumas delas construídas a partir deste lugar.

De 17 a 20 de setembro, sempre às 22 horas, os jardins do Centro Cultural Vila Flor serão invadidos pela estreia de «Pantagruel», uma coprodução da companhia residente da Oficina, o Teatro Oficina, com o Teatro Experimental do Porto que, uma vez mais, assinala e reforça a estratégia de Guimarães, enquanto cidade de criação, e a importância da valorização da comunidade artística da cidade, na relação com o universo que a circunda.

No dia 26 de setembro, também pelas 22 horas, na Black Box da Fábrica ASA, as celebrações encerram com a estreia absoluta de «Festival», uma peça de teatro em regime de coprodução, da autoria da companhia mala voadora. Uma relação de longa data, que simboliza também a capacidade que o CCVF tem tido para construir ligações fortes com os artistas, que se estende à cidade, ao concelho e ao seu projeto cultural corrente.