5ª edição do Festival Internacional de Guitarra de Guimarães arranca esta terça-feira

  • Publicado em Atualidade
Concerto de André Madeira na Igreja de Santo António dos Capuchos

A 5ª edição do Festival Internacional de Guitarra de Guimarães (FIGG) arranca esta terça-feira e decorrerá até 29 de dezembro, com a realização de 15 concertos, 14 «masterclasses», um concurso internacional, comunicações, entre outras atividades.

Com um total superior a duas dezenas de convidados, o FIGG vai contar com guitarristas, pedagogos e investigadores, bem como artistas em representação de mais de 20 países de continentes como Europa, Ásia e América.

O diretor artístico, Nuno Cachada, apontou como objetivo "manter Guimarães na rota da guitarra clássica", destacando a vertente formativa e internacional deste festival que é membro da primeira plataforma europeia no setor da guitarra, a EuroStrings.

"Queremos colocar a guitarra no mais alto nível, levando-a a locais emblemáticos do património cultural vimaranense. Guimarães é capital da guitarra clássica em dezembro através de um festival que começou em 2014, na altura quase sem apoios e com menos atividades, mas teve adesão imediata de guitarristas e público", disse Nuno Cachada, mentor deste projeto que é organizado pela Sociedade Musical de Guimarães (SMG) em coprodução com A Oficina e com o apoio do município local.

O FIGG 2018 arranca esta terça-feira, às 19 horas, com um concerto do português André Madeira na igreja de Santo António dos Capuchos, dado destacado na apresentação por esta ser uma estreia no que diz respeito a palcos considerados mais improváveis.

O esloveno Mak Grgic atua no dia 19, no Paço dos Duques de Bragança, mesmo local que acolhe, no dia seguinte, o concerto do americano Brian Head. 

Já a 21 estreia-se a rubrica "concertos EuroStrings Artists" com Julia Trintschuk e Giulia Ballaré, no Conservatório de Guimarães.

Em causa está o facto do FIGG 2018 estar incluído na digressão europeia de festivais de guitarra que procura promover a formação e itinerância de jovens talentos.

Estão previstas as atuações de pelo menos cinco «Artistas EuroStrings», os quais, juntos, são detetores de mais de 70 prémios, indicou a organização.

Ao longo do dia 26 há concertos de Vinícius Perez, Katarzyna Smolarek e Yuki Saito no Conservatório de Guimarães, somando-se o do francês Judicaël Perroy, às 21 horas, no Paço dos Duques de Bragança.

A 27, Simone Rinaldo, da Itália, também atua no Conservatório de Guimarães e à noite é a vez do Duo Kontaxakis - Ivanovich, apresentar-se no auditório da Universidade Minho, estando o último concerto reservado para 29 de dezembro, com Francisco Franco, na Associação Comercial e Industrial de Guimarães.

Pelo meio, ao longo dos dez dias de FIGG, estão agendadas oficinas, num programa que tem o nome de "Guitarra para Todos", bem como as etapas do Concurso Internacional "Cidade de Guimarães" e do programa de intercâmbio de "Artistas EuroStrings", somando-se o encontro de parceiros desta plataforma que escolheu Guimarães para realizar a sua reunião anual.

"Este festival é absolutamente único no panorama nacional pois há outros festivais, mas nenhum com esta marca internacional e de formação", disse o representante da câmara de Guimarães, Paulo Silva, enquanto o presidente da SMG, Vítor Matos, destacou a vontade de "alavancar o ensino, aprendizagem e divulgação do instrumento clássico", e Rui Torrinha, da A Oficina, considerou que esta é "uma brilhante demonstração da força da cidade no pós-capital Europeia da Cultura".

O FIGG 2018 tem um orçamento de cerca de 40 mil euros sendo apoiado pelo Município de Guimarães e pelo Programa Europa Criativa da União Europeia.