Maiores bancos portugueses passam nos testes de stress (vídeo)

  • Publicado em Atualidade

altOs quatro maiores bancos nacionais tiveram nova positiva nos resultados dos testes de resistência feitos à banca europeia, como aliás já era esperado, não sendo necessários aumentos de capital.

Caixa Geral de Depósitos, BCP, BPI e Espírito Santo Financial Holding (holding que controla o BES) chegariam ao final de 2011 com um rácio de capital TIER1 superior aos 6%, patamar definido pelas autoridades europeias, mesmo no cenário mais adverso testado.

Este indicador mede o capital dos bancos face aos seus activos ponderados pelo risco a que estão sujeitos. Apesar do "elevado grau de resistência ao cenário adverso", o documento sublinha que os quatro bancos sofreriam uma "significativa redução de rendibilidade e solvabilidade" num cenário mais adverso.

O BPI é o banco que apresenta o rácio TIER 1 mais alto, superior a 10%. Seguem-se o BCP, com um rácio TIER 1 de 8,4% e a CGD com um indicador de 8,2% ou 8,4% consoante o cenário também em 2011.O Espírito Santo Financial Holding, que inclui o Banco Espírito Santo, mas também a actividade seguradora do grupo, conseguiria no final de 2011 um rácio de 7,4% ou 6,9% num cenário mais adverso, que inclui um choque sobre o spread dos juros da dívida pública.

A análise à banca portuguesa excluiu o Santander Totta, tendo abrangido 74% do sistema bancário português. Feitas as contas, os quatro maiores bancos nacionais têm uma folga de capital de 4,819 mil milhões de euros.


{sapo}Zz4nc9hvwTzIOTZt4wGV/mov/1{/sapo}